01 julho 2014

Esclarecimento

Olá Personas,

O blog anda meio abandonado, eu sei. Peço desculpas a todos os leitores. Estou em uma fase difícil em minha vida pessoal em que tenho que tomar decisões complicadas e uma delas é continuar ou não com o projeto.
Não quero que sintam pena de mim ou que me julguem, longe disto. O que quero é contar para vocês o que acontece comigo e espero a compreensão de todos.

Meu noivo faleceu no dia 14/06. Poucas pessoas sabiam que estávamos noivos, não tínhamos anunciado ainda. Ele era meu maior motivador com o projeto e em várias etapas da minha vida pessoal e profissional. Foi ele quem me ajudou a organizar todas as ideias e revisava todos os textos comigo.
Entrar no blog me causa nostalgia, lembranças boas, mas que ainda machucam. Por isto, peço um pouco de paciência a todos para que eu possa organizar melhor minha cabeça e decidir o que farei com o projeto Persona Digital.

Continuarei fazendo algumas postagens no Instagram @PersonaDigitalMkt, no Facebook e no meu Twitter @flaviamorgana, por lá podem continuar acompanhando algumas dicas profissionais e de motivação. 

Ao resolver o que irei fazer comunicarei a todos nas redes sociais e aqui no blog.

Obrigada

Abraços

Flávia Morgana Rodrigues

22 maio 2014

Dicas para usuários da Internet - Identidade Digital

Fiz este infográfico baseando-me de informações fornecidas pela Inteco para explicar de forma simples e dinâmica o que é Identidade Digital e como se proteger de eventuais problemas. 



Este conteúdo foi publicado pela Inteco - Instituto Naticonal de Tecnologia da Comunicação da Espanha.

12 maio 2014

Esqueça o LinkedIn, por que você vai encontrar o seu próximo trabalho usando o Facebook

A mudança na rede social está longe de algo para se esconder de empregadores, é uma ferramenta utilizada por quem procura emprego.


O texto que publico hoje é o primeiro que publico que não é de minha autoria, é da  Lydia Dishman. Gostei tanto que traduzi e adaptei para compartilhar com vocês. É uma informação que poucas empresas no Brasil utilizam, mas que com o tempo vai aumentar. Vi algumas instituições utilizando este recursos, entender o que acontece pode ajudar a conseguir o emprego que você tanto quer. Vamos a leitura?

Apesar da força do LinkedIn quando se trata do seu perfil profissional, o Facebook pode ser a melhor ferramenta de recrutamento, de acordo com Stéphane Le Viet . Co-fundador e CEO da Work4 , há quatro anos atuando como recrutador em uma empresa on-line, tendo como clientes Gap, UPS, Intel, L'Oreal, PepsiCo, e Hard Rock Café, Le Viet explora as redes sociais com sucesso através do seu serviço de contratar candidatos qualificados .
Embora tenham analisado o potencial do Twitter como escopo de potenciais empregadores, o Facebook parece contraditório à primeira vista. Afinal, não é intenção da maior rede social do mundo apenas conectar com os amigos?
“Exatamente”, diz Le Viet. "O que você faz no Facebook é compartilhar conteúdo durante todo o dia, assim, compartilhar [informações sobre] postos de trabalho é muito natural", ele postula. Quando você considera que as referências de funcionários são as melhores (e mais rápidas) fontes de contratações de alta qualidade, Le Viet diz: "Facebook é o melhor lugar do mundo para que isso aconteça, porque você sabe quem são as pessoas em sua rede muito melhor do que no LinkedIn. "
E tendemos há gastar muito tempo lá. De acordo com a análise de internet da empresa ComScore, 10,9 milhões de trabalhadores procuraram trabalhos usando dispositivos móveis em agosto de 2013 contra apenas 3,8 milhões em agosto de 2012 e passamos cerca de 17% do tempo em nossos telefones conectados no Facebook .

TAMANHO DAS VANTAGENS DO FACEBOOK

Embora seja verdade que o LinkedIn é a plataforma de escolha para os recrutadores - eles usam 93% do tempo para pesquisas, contato e manter o controle sobre os candidatos no processo de contratação - de acordo com dados da Jobvite , Facebook está ganhando popularidade.
A mesma pesquisa constatou que 65% dos recrutadores usam Facebook para postar sobre a cultura da empresa e a utilização de 25% do Facebook por candidatos veteranos após o processo de entrevista. Le Viet diz que não é de se admirar. "O Facebook tem escala e tangibilidade", que até mesmo sites de emprego como Monster e CareerBuilder não podem se igualar.
Embora o Facebook seja uma base de usuários, é indiscutivelmente maior do que qualquer trabalho, com bilhões de dólares em um grupo potencial de candidatos, "Quando se trata de capacidade de recrutamento, é por isso que lugares como Monster e Craigslist são - entre aspa - falha," Le Viet argumenta, "porque qualquer um pode publicar e os empregadores estão inundados " com os candidatos que não são páreo para a posição aberta. "É apenas um grande ruído", acrescenta.

SEGMENTAÇÃO - OS EMPREGADOS E EMPREGADORES

Le Viet explica as ferramentas do Work4 que permitim que qualquer empregador, de uma grande marca a uma pequena loja, podem criar anúncios no Facebook direcionados, bem como uma seção de anúncios de emprego em uma página de negócios. O bônus, ele aponta, é que o empregador pode ter como alvo os fãs existentes da marca, o que poderia resultar em um funcionário mais entusiasmado.
Embora a Work4 preencha um número substancial de salário por hora e empregos de colarinho azul via suas ferramentas - um espaço que o LinkedIn não tem muito de uma presença - Le Viet diz que até mesmo graduados universitários e profissionais de nível superior estão sendo contratados por meio de seu serviço.
Le Viet diz que anúncios direcionados no Facebook receberam 5,88 milhões de visualizações e 153 candidatos pré-qualificados para uma das posições em aberto no L'Oreal. A Work4 tem "compartilhado" cerca de 12 milhões de empregos até o momento, 29 vezes a mais que ao longo do ano passado.
E enquanto a Work4 está ocupada ajudando as empresas grandes e pequenas a atrair talentos, uma mulher virou o jogo em anúncios no Facebook direcionados e arrumou um emprego na Work4. Leona Chu trabalhou com marketing digital no Citibank quando ela criou o seu próprio anúncio, visando especificamente os recrutadores, RH e empregados de nível gerencial de empresas onde ela queria trabalhar. Le Viet diz que este tipo de engenho chamou sua atenção e Chu acabou sendo contratada. Ela, então, criou um outro anúncio no Facebook para dizer obrigada.
Para qualquer candidato a emprego, Le Viet diz: "Agora que temos uma identidade on-line, a questão torna-se como criar sua própria visibilidade." Os empregadores estão assistindo.
Texto publicado pela Fast Company
Por Lydia Dishman